O crescimento da força de trabalho da África excederá o resto da força de trabalho mundial combinada

Muitos analistas previram que entramos no que se tornará o “século africano”. Um relatório do Fundo Monetário Internacional (FMI) baseia essa previsão no ditado “demografia é destino”, sendo que o crescimento da força de trabalho da África excederá o resto da força de trabalho mundial combinada.

Fora da África, o número de pessoas que ingressam na força de trabalho cairá para 0,5% da população por ano, da média de 2% de 1980 a 2000. Essa mudança demográfica representa uma oportunidade para a África Subsaariana, condicionada a investimentos bem-sucedidos em infraestrutura e educação.

“O sucesso não será sem desafios. Grande parte do continente foi devastada por guerras sangrentas ao longo do último meio século, e atualmente a preocupação é maior em torno do Sahel – um trecho de terra da Mauritânia e Senegal, a oeste, até o Sudão e a Eritreia, a leste. Uma perigosa mistura de problemas de produção de alimentos ligados por vários anos à mudança climática e ao surgimento de grupos terroristas islâmicos ameaçam colocar um domínio sobre a área. A região inclui alguns dos países que mais crescem e avançam na África, mas o Sahel pode minar suas perspectivas, a menos que sejam tratadas instabilidade política, violência e corrupção”, indica um texto publicado no portal world-grain.com.

Nesse cenário, se a África sair do seu estado baixo, a agricultura desempenhará um papel importante. Uma pesquisa do Banco Mundial publicada em 2008 indicou que o crescimento na agricultura é 11 vezes mais eficaz na redução da pobreza do que o crescimento em outros setores. “Foram alcançados sucessos, incluindo um programa na Etiópia destinado a aumentar a renda de famílias rurais, cronicamente inseguras em termos de alimentos”, conclui.

Fonte: Agrolink