A República Dominicana pode ter que abater mais de 500.000 suínos – ou cerca de metade de seu rebanho – para conter o primeiro surto de peste suína africana nas Américas em quatro décadas , de acordo com um alto funcionário da agricultura.

Rafael Abel, presidente da Comissão de Agricultura da Câmara dos Deputados, disse que o governo precisa matar 100% dos suínos doentes e saudáveis em 11 das 33 províncias da República Dominicana onde a doença foi detectada.

Se não conseguir fazer isso, a doença altamente contagiosa provavelmente causará uma repetição do surto de 1978, no qual toda a população de suínos do país teve que ser abatida, disse ele em entrevista por telefone na terça-feira.

Essas 11 províncias – incluindo a capital, Santo Domingo, – abrigam cerca de 50% a 60% dos 1,35 milhão de suínos do país, segundo a Federação Dominicana de Criação de Suínos.

O Ministério da Agricultura começou a matar animais doentes e intensificou os controles em uma tentativa de isolar as áreas afetadas, mas se absteve de ordenar a erradicação em massa e não informou quantos suínos podem estar doentes.

Os EUA, México, Brasil e outros aumentaram os controles de fronteira em resposta ao surto. Embora a República Dominicana não exporte uma quantidade significativa de produtos suínos, teme-se que os viajantes possam levá-los inadvertidamente.

Os EUA – o maior produtor mundial de carne suína depois da China – nunca tiveram um surto de peste suína africana e estão intensificando as inspeções de voos vindos da República Dominicana.

A doença atinge os rebanhos de suínos, causando febre, perda de peso, lesões e fraqueza que geralmente matam um animal em sete a 10 dias. Não é transmissível aos humanos, mas não existe vacina, tornando os massacres uma das poucas formas de controlá-lo.

A peste suína africana “é uma doença devastadora e mortal que teria um impacto significativo sobre os produtores de gado dos EUA, suas comunidades e a economia se fosse encontrada aqui”, diz o Departamento de Agricultura dos EUA em seu site.

O Ministério da Agricultura da República Dominicana não retornou imediatamente ligações e e-mails solicitando comentários.

A República Dominicana tem uma das maiores taxas de consumo per capita de carne suína das Américas e, em 2019, era autossuficiente, disse Francisco Brito, presidente da Federação Dominicana de Criação de Suínos.

“Existem centenas de milhares de dominicanos que dependem da produção de suínos, mesmo que seja mantendo alguns suínos em seu quintal”, disse ele.

Adriano Sanchez Roa, político da oposição que chefiou o banco agrícola do país, ainda se lembra de caminhões carregados de suínos mortos após o surto de 1978. Ele diz que o governo demorou a responder à crise atual. Acredita-se que os primeiros casos da doença tenham surgido em abril, mas não foram confirmados até a semana passada, disse ele.

“Eles não prestaram atenção e tudo saiu do controle”, disse ele. “Agora está em 11 províncias, mas temos que proteger as 22 províncias onde ainda não foi detectado.”

Fonte: Bloombreg